CIDADANIA Defensoria de Roraima muda a vida de homem ‘invisível’ para a sociedade

O assistido nunca possuiu documentos pessoais

José Raimundo Vasconcelos, mais conhecido como “Mudinho”, passou a vida inteira sem documentos pessoais, por conta disso, não tinha acesso a qualquer benefício ou outro serviço público. Homem de aparentemente 54 anos era ‘invisível’ perante a sociedade. Após passar por atendimento da Defensoria Pública do Estado (DPE) essa realidade mudou.  

A aposentada, Maria Auxiliadora Bandeira Santos, 55, que atualmente cuida de “Mudinho” há dois anos foi quem procurou a DPE em busca de auxilio. “Nós estamos há muito tempo em busca de ajuda para ele. Achava que não íamos conseguir, mas a justiça existe”, comemorou Maria.

A defensora pública Noelina Chaves foi quem realizou o primeiro atendimento ao assistido. “Percebi que estava diante de um caso que exigia um olhar diferenciado da Defensoria, e por sugestão do defensor-geral [Dener] e do subdefensor-geral [Oleno], encaminhei para o atendimento multidisciplinar da DPE”, explicou.  

O assistido foi encaminhado para o CAM (Centro de Atendimento Multidisciplinar) da DPE para uma melhor compreensão da situação. Ele e dona Maria passaram por atendimentos psicológico e assistente social.

“A Defensoria estava diante de uma pessoa invisível perante a sociedade e não medimos esforços para torná-lo visível e ter os seus direitos assegurados como cidadão. Onde existem pessoas, nós enxergamos cidadãos”, afirmou a defensora pública, Elceni Diogo, titular do CAM.

Após os atendimentos iniciais, a DPE em parceria com a Câmara de Conciliação e Vara Itinerante realizou os procedimentos como requisição ao Instituto de Identificação para emissão de laudo papiloscopico, solicitação de CPF, acompanhamento para receber o Beneficio de Prestação Continuada (BPC) junto ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) e tratamento odontológico junto a Faculdade Cathedral . Além disso, a defensora Noelina irá solicitar a interdição, ou seja, ato que retira de determinada pessoa a possibilidade de administrar seus bens.

SIGNIFICADO DO NOME: O novo nome de “Mudinho” tem um significado especial. José foi escolhido em homenagem ao São José, pois foi o dia que foi autorizado o registro. Raimundo nome mais próximo de “Mudinho” e Vasconcelos em homenagem a Tânia Vasconcelos que idealizou o trabalho da Vara Itinerante. Uma vida que poderia ser um filme teve um final feliz. Vasconcelos ganhou um registro, a sociedade um cidadão de direito.  

HISTÓRIA DE VIDA: "Mudinho", quanto tinha entre 07 e 10 anos, foi encontrado na carroceria de um caminhão, escondido embaixo de uma lona e muito assustado. Ele relatou que estava fugindo de seu padrasto que acabara de matar sua genitora e ameaçava lhe matar. O caminhoneiro que localizou o "Mudinho", prosseguiu a viagem rumo a Boa Vista, vindo de Rondônia. O pequeno passou a morar na casa do seu ‘Sabiá’, como era conhecido o caminhoneiro. Após 05 anos, seu ‘Sabiá’ faleceu e ‘Mudinho’ viveu por 15 anos com um conhecido de ‘Sabiá’ e outros 16 anos com outro e há 02 anos passou a residir com a senhora que buscou o atendimento da Defensoria.

Durante o atendimento multidisciplinar, verificaram a veracidade da história contada, além de perceberem alguns problemas de saúde, um retardo mental e dificuldades para receber atendimento adequado.  

ASCOM RR

Top
×