MERCADO DE TRABALHO: Defensoria recebe nova turma do Programa Aprendiz Legal

“Ela vai aprender como lidar e se comunicar com as pessoas”, diz mãe toda feliz

A DPE (Defensoria Pública do Estado) recebeu nesta segunda-feira, 07, a nova turma do Programa Aprendiz Legal. A cerimônia acolheu os 20 jovens que irão prestar atividades administrativas na Instituição.

Em seu discurso, o defensor público-geral Stélio Dener, afirmou que a Defensoria ajudará no desenvolvimento profissional da turma juvenil para ingressar ao mercado de trabalho.

“Hoje estamos recebendo os jovens aprendizes na Defensoria, e é uma satisfação muito grande ajudar na oportunidade do primeiro emprego. Além de se desenvolver profissionalmente, queremos que eles [jovens] aprendam ter uma boa conduta social”, comenta.  

A DPE busca promover a integração entre a escola e o CIEE (Centro de Integração Empresa Escola), no intuito de complementar o ensino e a aprendizagem, proporcionando o desenvolvimento da classe estudantil em sua formação técnico-profissional para atuação no mercado de trabalho, e assim contribuir para o desenvolvimento sócioeconômico da região.

“Os defensores públicos lidam diariamente com a vida das pessoas e com seus problemas. Às vezes as pessoas não conseguem solucionar seus problemas e procuram a DPE a fim de assegurar os próprios direitos. A Defensoria é a ponte entre as pessoas e seus problemas com a justiça”, explicou Dener.

Dentre os jovens aprendizes que atuarão na Defensoria está a estudante do 3º ano, do Ensino Médio, Thaís Monteiro, que teve a sorte de ser sorteada, irá prestar serviços administrativos na mesma instituição que a mãe, Nívea Monteiro, que trabalha como garçonete na Instituição.   

“É uma oportunidade muito boa para o mercado de trabalho, eles vão aprender e além do que, não é só o custo do dinheiro, é o aprendizado que eles vão levar daqui. Além disso, ela vai aprender como lidar e se comunicar com as pessoas, principalmente minha filha que é um pouco tímida”, avaliou a mãe toda feliz.   

Com esta iniciativa, a Defensoria quer proporcionar ao aprendiz uma formação técnico-profissional metódica, por meio de atividades práticas correlacionadas com os conteúdos teóricos previstos no programa de aprendizagem;

“Eu agradeço muito que eles deram essa oportunidade para gente, pois são muitas pessoas que querem. Talvez eu até mude meu pensamento depois daqui e siga na área do Direito”, confidenciou Thaís.

Com um incentivo de R$ 499,00, para o aprendiz de nível fundamental e médio com carga horária de quatro horas diárias, e vale transporte de R$ 158,40 mensal, a duração das atividades práticas dos jovens aprendizes totaliza 20 horas semanais, de segunda-feira a sexta-feira para realização de atividades teóricas e práticas. 

Antes de iniciar propriamente nas funções designadas, a turma passará por um preparatório comportamental. Eles terão noção de como lidar em uma Instituição que atua diariaente com o acesso à justiça com a população hipossuficiente.

Top
×